Site monta consultas secretas que mostram dados abertos no Facebook

Enquete

O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Obrigações do Dia

  • 17/Fevereiro/2020
  • INSS | Previdência Social.

Indicadores Econômicos

Moedas - 14/02/2020 16:49:12
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 4,293
  • 4,295
  • Paralelo
  • 4,260
  • 4,540
  • Turismo
  • 4,280
  • 4,530
  • Euro
  • 4,652
  • 4,655
  • Iene
  • 0,039
  • 0,039
  • Franco
  • 4,372
  • 4,375
  • Libra
  • 5,596
  • 5,600
  • Ouro
  • 219,400
  •  
Mensal - 03/12/2019
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • -0,05
  • 0,04
  • Ipc/Fipe
  • -
  • 0,16
  • Ipc/Fgv
  • -
  • -0,09
  • Igp-m/Fgv
  • -0,01
  • 0,68
  • Igp-di/Fgv
  • 0,50
  • 0,55
  • Selic
  • 0,46
  • 0,48
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

Parceiros

  • O Facebook possui uma poderosa ferramenta de busca capaz de listar e associar diversas informações na rede social. São telas que mostram tudo que alguém curtiu, todas as publicações em que foi marcado, todas as pessoas que trabalham em determinada empresa e curtem alguma página. Todo esse poder, no entanto, está escondido: não existe opção para realizar essas pesquisas na rede.

    Essas pesquisas não mostram nenhuma informação que você não tenha acesso. Por exemplo, se alguém configurou o local onde trabalha apenas para ser visto por amigos e você não é amigo dessa pessoa, esse usuário não vai constar na pesquisa pelo local de trabalho. Porém, quem deixou qualquer informação aberta para o público pode ser pesquisado — e muita gente não imagina que os dados possam ser pesquisados dessa forma.

    Um exemplo dessas buscas é esta, que mostra todas as pessoas que curtiram a página da Prefeitura de São Paulo e também curtiram a página do G1.

    O pesquisador de segurança belga Inti De Ceukelaire criou o site Stalkscan para expor algumas das opções secretas de pesquisa do Facebook. O site redireciona todas as pesquisas para o próprio Facebook e não guarda ou obtém nenhuma informação.

    Para usar o site, é preciso primeiro colocar o link de um perfil no formulário ao topo da página e, em seguida, clicar no ícone da lupa para definir o perfil a ser pesquisado (veja como usar o site passo a passo abaixo). Em seguida, basta clicar em alguma das opções da página para ver todas as publicações em que o perfil escolhido foi marcado, as fotos e vídeos curtidas ou os lugares visitados.

    O Facebook foi procurado para comentar o caso, mas a empresa não explicou por que essas opções de pesquisa existem, nem o motivo de elas não estarem disponíveis na própria interface do site. A empresa apenas destacou que a privacidade é uma "prioridade" e que as pessoas têm total controle sobre o que compartilham no site, podendo alterar a qualquer momento quem pode ver as publicações.

    O criador do Stalkscan conversou com o blog Segurança Digital e conta que levou apenas um fim de semana para criar a página para o Dia de São Valentim (o "Dia dos Namorados" de vários países) de 2017. A proposta era permitir que as pessoas pudessem conferir o comportamento do "crush" na rede social.

    Ceukelaire explica que essas pesquisas avançadas, chamadas de "Graph Search", foram criticadas em 2013 e 2014, obrigando o Facebook a removê-las da página oficial. As consultas continuaram funcionando apenas para usuários de língua inglesa que digitassem a pesquisa em sua barra de busca, em inglês. A pesquisa interpreta a linguagem natural e retorna resultados.

    "Essa é a minha primeira crítica. Por que usuários de língua inglesa podem ver mais informações? Além disso, construtores de consultas não oficiais permitem consultas mais complexas que nem mesmo a pesquisa por língua natural entende", explica o pesquisador. Essas "consultas complexas" incluem coisas como: quem diz trabalhar para um partido e curte membros de outros partidos, todos comentários ou curtidas deixadas em páginas específicas ou em perfis específicos e assim por diante.

    O Stalkscan não permite montar essas consultas complexas. Embora não mostrem mais informações, elas permitem chegar a dados mais específicos.

    O pesquisador alerta que, como a ferramenta exibe todas as informações acessíveis para quem usa a pesquisa, não adianta tentar usá-la com a própria conta logada para ver quais das nossas informações estão visíveis publicamente.

    Quem pesquisar o próprio perfil e estiver logado na conta verá publicações limitados a amigos e até dados que estiverem configurados com a privacidade "Somente eu". Não é possível usar o site sem ter um cadastro no Facebook, então é preciso pedir que outra pessoa faça a consulta.

    "Eu não sei por que a Graph Search ainda está disponível. Só vejo que ela é frequentemente abusada. Meu site tem meio milhão de visitas por mês. Acho que eles querem competir no mercado de pesquisas com o Google, mas o que eles não entendem é que não se pode fazer um mecanismo que pesquise as pessoas, seus comportamentos e características. Isso é repugnante", afirma o pesquisador.

    Para Ceukelaire, o Facebook não se importa com a privacidade das pessoas. "É só uma estratégia de relações públicas", afirma. Embora o site Stalkscan não seja bloqueado pelo Facebook, a página pessoal do pesquisador produz um alerta de conteúdo proibido quando um link é enviado pelo Messenger ou publicado na rede. O Facebook não comenta suas razões específicas para realizar esses bloqueios.

    É possível se proteger?
    Não existe um meio para impedir que a pesquisa do Facebook esconda informações que estão acessíveis publicamente.

    As seguintes medidas podem ser tomadas para reduzir a exposição na pesquisa:

    Marcar informações no perfil para "Somente amigos" ou "Somente eu". Com a opção "Somente amigos", amigos que pesquisarem esses dados ainda enxergarão esses dados. A lista de páginas curtidas e a lista de amigos inibem algumas opções da pesquisa.
    A opção "Limitar publicações anteriores" permite modificar em massa a privacidade de publicações antigas.
    Não é possível impedir que pessoas vejam a lista de publicações públicas que você curtiu ou comentários que fez. Você pode utilizar o Stalkscan para verificar essas publicações e apagar seus comentários e cancelar suas curtidas, se desejar.
    Se você não está de acordo com essa exposição, a única saída, no momento, é apagar o perfil do Facebook.

    Como usar o Stalkscan

    No topo da página do Stalkscan, coloque o endereço do perfil a ser pesquisado. O endereço deve estar no formato "https://facebook.com/[nome do perfil]". O perfil pode ser também uma página, permitindo que você veja comentários e curtidas feitas em nome da página.

    Clique no ícone da "lupa". Isso vai definir o perfil a ser pesquisado. O site retornará uma mensagem dizendo que o perfil foi carregado ("loaded").

    Uma vez que o perfil foi escolhido, as opções de pesquisa na parte inferior da página podem ser clicadas. Na primeira coluna (em "Profile") é possível escolher opções como posts, eventos e grupos. Essas pesquisas retornarão as respectivas informações do perfil carregado.

    Na segunda coluna, é possível ver fotos, vídeos e publicações em que o perfil foi marcado. Em seguida, os comentários deixados em fotos, vídeos ou publicações, as fotos, vídeos e publicações curtidas e os lugares visitados.

    A última coluna é um atalho para pesquisas disponíveis no próprio site do Facebook, como a lista de amigos e páginas curtidas. Essas pesquisas não funcionarão se a pessoa pesquisada optou por ocultar esses dados.

    Todos os links vão abrir uma janela do Facebook com a pesquisa. Nenhum dado ou informação é coletado ou transmitido por meio do Stalkscan.

    Fonte: G1 Globo | 24/05/2019

    Site desenvolvido pela TBrWeb  (XHTML / CSS)
    Grupo Roma  | Rua Dom Armando Lombardi, 474 - Vila Progredior  | São Paulo, SP  |  Cep:05.616-011  |  Fones 11. 3721 2104 / 3721 2114 / 3721 3297